Das pistas de Chicago para o mundo: a evolução da house music

Se você chegou até aqui, já deve ter lido os dois primeiros textos da nossa série. O primeiro sobre a Paradise Garage, o berço da House. O segundo sobre a origem da House Music que conhecemos hoje. Esse é o terceiro, que encerra essa série sobre a vertente que mudou a música eletrônica.

Em 1985 todos em Chicago estavam fazendo, dançando ou escutando house music. Larry Sherman, dono da única prensadora de discos que tinha em Chicago, lançou o selo Trax. 

Essa marca acabou se popularizando no estilo e colocou vários discos no mercado, a primeira gravadora do estilo acabou assumindo os direitos autorais de diversos DJs. 

Em 1986 o House já estava consolidado nos EUA, já tinha sua sonoridade marcada na mente das pessoas, seus produtores sendo conhecidos por todo o mundo. Em Londres, a música já estava tocando nas rádios, nos clubes e os DJs sendo mais aclamados enquanto músicos. No mesmo ano a música Move Your Body, levou o House para a Inglaterra.

Um ano depois, Frankie Knuckles, Marshall Jefferson, Adonis e Larry Heard fizeram pela primeira vez uma turnê na Inglaterra, pelo selo DJ International. Eles foram aplaudidos pelo público, que conhecia todos os sets e faziam grandes filas para vê-los nos clubes. Essa turnê ajudou a house music a se consolidar no mundo e revolucionou o cenário de festivais. 

Para saber mais sobre o tema, fica aqui a dica de um documentário: Pump Up The Volume.

A House Music é dona de diversas vertentes, dentro da sua própria vertente na música eletrônica. Sua origem veio de diversos obstáculos, abraçou os excluídos socialmente e modificou a história da música, tanto por abraçar minorias, estar presente em protestos, ser proibida e se transformar em evolução. Desde aquela época, inúmeros clubes, gravadoras e DJs conseguiram se consagrar e seguir carreira. 

Gostou do texto? Compartilhe em suas redes.